Reflexões sobre Formação de Professores e sua intersecção com a Antropologia e Políticas Públicas

Marcia Leitao Pinheiro, Carine Lavrador de Farias

Resumo


Este artigo veicula uma reflexão sobre a contribuição da antropologia e de seus conceitos para a formação de professores e de suas práticas pedagógicas. Considerando este objetivo, abordamos como os instrumentos conceituais favorecem ainda a intercessão entre a Antropologia e as Políticas Públicas de Educação diante da focalização da Lei 10.639/03, que coloca a exigência de incorporar no currículo escolar da Educação Básica o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Isso possibilita a discussão sobre o que tem sido chamado de "intolerância religiosa" e sua ligação com a vigência de uma concepção discriminadora, que define o que é plausível de respeito ou de desrespeito e ataque.


Palavras-chave


Antropologia; Educação; História e Cultura Afro-Brasileira; Políticas Públicas;

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexão sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

BASTOS, Fernanda C.Souza. Cultura, política e os fazeres da Comissão Pastoral da Terra (CPT). 2012. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Rio de Janeiro.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultu¬ra. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 39-64.

BURDICK, John. Pentecostalismo e identidade negra no Brasil: mistura possível? In: MAGGIE, Yvonne e REZENDE, Claudia (orgs.) Raça como retórica - a construção da diferença. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, 186-212.

DA MATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Vozes, 1986, 3ª edição.

DANTAS, Beatriz G. (1988). Vovô Nagô e papai branco - Usos e abusos da África no Brasil. Rio de Janeiro: Graal.

DAUSTER, Tânia. Um diálogo sobre as relações entre etnografia, cultura e educação - representações e práticas. Linhas Críticas, v.21, n.44, p. 39-56, 2015.

FERES JR. João; MACHADO, Marcel; EURÍSTENES, Poema; CAMPOS, L.Augusto. Políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais (2016). Levantamento das políticas de ação afirmativa (gemaa). RJ, UERJ/IESP. 2017.

FERNANDES, Otair.; MACHADO, Elielma. A. Políticas de ação afirmativa e educação: para além da cor e da raça. In: FARIAS, P. S.; PINHEIRO, M. L. (Org). Novos estudos em relações étnico-raciais: sociabilidades e políticas públicas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2014.

FERREIRA, Wallace. Justiça e reconhecimento em Nancy Fraser: interpretação teórica das ações afirmativas no caso brasileiro. Disponível em: https://www.cp2.g12.br/ojs/index.php/PS/article/download/606/519. Acesso em: 12, dez.2017.

FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética? Lua Nova, n.70, 2007, p.101-138.

________ Redistribuição ou reconhecimento? Classe e status na sociedade contemporânea. Interseções – Revista de Estudos Interdisciplinares. UERJ, ano 4, n.1, 2002.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008, 13 reimpressão.

GIUMBELLI, Emerson. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial, 2002.

GOMES, Nilma.L. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Revista Política e Sociedade, Florianópolis, V.10, n.18, p.133-154, abr. 2011.

GONÇALVES DA SILVA, Vagner. Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras: significados do ataque aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. Mana, v.13, n.01, p.207-236, 2007.

GUIMARÃES, Antônio S. A. Depois da democracia racial. Tempo Social. v.18, n.2, p.269-287, 2006.

__________. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, v,47,n01, 2004, p.09-43.

GUSMÃO, Neusa M Mendes de. Antropologia, diversidade e educação: um campo de possibilidades. Ponto e Vírgula, 10, 2011, p.32-45. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/pontoevirgula/article/view/13898/10222. Acesso 18 mai 2017.

HINCAPIÉ, Liliana G. Para uma antropologia da política pública: dinâmicas da construção de políticas públicas para comunidades afro-colombianas. Revista Políticas Públicas. v. 19, n. 1, p. 157-171, 2015.

KYMLICKA, Will. Multiculturalismo. Diálogo Político, ano XXIV, n.02, 2007, p.

LAMEGO F., Alberto. As planícies do solar e da senzala. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1996, 2. edição.

LEWIN, Helena; RIBEIRO, Ana P.; SILVA, Liliane S. Uma nova abordagem da questão da terra no Brasil: o caso do MST em Campos dos Goytacazes. Rio de Janeiro:7Letras, 2005.

LIFSCHITZ, Javier. Comunidades tradicionais e neocomunidades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

LIMA, Lana L.G. Rebeldia negra e abolicionismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.

LIMA, Antônio Carlos de S.; CASTRO, João P. Macedo. Notas para uma Abordagem Antropológica da(s) Política(s) Pública(s). Anthropologicas 26(2):17-54, 2015.

MACAGNO, Lorenzo. O dilema multicultural. Curitiba/Rio de Janeiro, Editora da UFPR/Graphia, 2014.

________ Cidadania e cidade (aventuras e desventuras do multiculturalismo). Espaços & Debates, vol. 23, nº 43-44, pp. 51-59, 2003.

MIRANDA, Ana Paula M.de. Entre o privado e o público: considerações sobre a (in) criminação da intolerância religiosa no Rio de Janeiro. Anuario Antropológico II, p.125-152, 2010.

OLIVEIRA, Amurabi. A antropologia e a formação de professores. Revista Cocar, vol.8, n.15, p.23-30, 2014.

PEIRANO, Marisa. A antropologia como ciência social no Brasil. Etnográfica, vol. IV (2), p. 219-232, 2000.

PEREIRA, Amilcar A. A lei 10639/03 e o movimento negro: aspectos da luta pela "reavaliação do papel do negro na história do Brasil". Cadernos de História, v.12, n.17, p.25-45, 2011.

Autor . In: FARIAS, Patrícia Farias; Autor (Orgs) Novos estudos em relações étnico-raciais: sociabilidades e políticas públicas. Rio de Janeiro:Contra Capa; Faperj, xxxa, p.

Autor. In: GONÇALVES, M. Alice R.; RIBEIRO, Ana Paula A. (orgs.). Diversidade e sistema de ensino brasileiro. Rio de Janeiro: Outras Letras, xxxxb, Edição.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Identidade cultural, identidade nacional no Brasil. Tempo Social 1. São Paulo, Edusp, 1989.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso (Colección Sur-Sur), 2005.

RISÉRIO, Antônio. Em defesa da semiodiversidade. Galáxia, Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, N.03, p.17-26, 2002. Disponível em http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/1263/766. Acesso em: 02, mar. 2017.

SCHWARCZ, Lilia. Do preto, do branco e do amarelo: sobre o mito nacional de um Brasil (bem) mestiçado. Ciência e Cultura. vol.64, n.1, pp. 48-55, 2012.

VIEIRA, Ricardo. Etnobiografias e descobertas de si: uma proposta da Antropologia da Educação para a formação de professores para a diversidade cultural. Pro-posições, V.24, N.2(71), p. 109-123, 2013., disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v24n2/v24n2a09.pdf. Acesso em: 15, fev.2014.

Sites consultados

http://www.acaoeducativa.org.br/

http://campos24horas.com.br

http://www.plataformadh.org.br


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais - ABECS

Periodicidade: semestral

ISSN 2594-3707


INDEXAÇÃO

Google Acadêmico

ANPOCS



Idioma: Português

Editor responsável: Cristiano das Neves Bodart

Autor corporativo: Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais (ABECS)

Endereço: Cpo São Cristóvão, 177, UE São Cristóvão CPII, Sala do Departamento de Sociologia, São Cristóvão, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20921-440, Brasil
CNPJ: 19.340.922/0001-76

Site da ABECS: www.abecs.com.br
Facebook da ABECS: https://www.facebook.com/abecsnacional/