V Congresso Nacional da ABECS

V Congresso Nacional da ABECS

V CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
24 a 26 de novembro de 2022

 

Site oficial do evento com todos os detalhes e espaços para submissões de trabalhos, oficinas e minicursos AQUI

 

O Congresso Nacional da Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais é um evento voltado à publicização de pesquisas e práticas em torno do ensino das Ciências Sociais e a ampliação de redes de colaboração entre pesquisadores que se dedicam ao tema e docentes da educação básica. Trata-se de um espaço de diálogo entre pesquisadores e professores do ensino básico, materializando-se como um espaço formativo. O evento, que está em sua 5º edição, busca agregar pesquisadores de diversas partes do país, além de aproximar professores do ensino básico e estudantes de pós-graduação e graduação em Ciências Sociais com os estudos mais recentes, corroborando para a qualificação do ensino das Ciências Sociais e das pesquisas no nível de graduação e pós-graduação. O evento será sediado no campus A.C. Simões da Universidade Federal de Alagoas entre os dias 24 a 26 de novembro de 2022.

QUINTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2022

14h00 – 18h00 – Credenciamento

15h00 – 16h00Coffee break de recepção / Atividade cultural / Telão de transmissão do jogo da seleção brasileira

18h00 – 18h40 – Mesa de Solenidade

  • Reitor da Universidade Federal de Alagoas
  • Presidenta da Abecs
  • Representante da Fapeal
  • Representante Secretaria do Estado de Estado de Educação
  • Diretora do Instituto de Ciências Sociais-UFAL
  • Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia-UFAL
  • Coordenador do curso licenciatura de Ciências Sociais-UFAL

19h00 – 20h00 – Mesa: Os 10 anos da Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais: desafios de ontem e hoje

10 anos da Abecs

  • Rafaela Reis Azevedo de Oliveira – Presidenta da Abecs
  • Thiago Ingrassia Pereira – Ex-presidente da Abecs
  • Fernanda Feijó – Ex-presidenta da Abecs

SEXTA-FEIRA, 25 DE NOVEMBRO DE 2022

9h30 – 11h30 – Grupos de Discussões (Parte 1)

  • GD 1: História do ensino de Sociologia

O GT “História do ensino de Sociologia no Brasil” objetiva dar continuidade a materialização do espaço de discussão em torno da história do ensino da Sociologia, fomentando novos avanços sobre o tema. Nesse sentido, o GD é receptivo aos estudos sobre: a) história dos conteúdos curriculares, seus métodos e teorias; b) história dos manuais escolares produzidos por intelectuais brasileiros e das traduções dos manuais estrangeiros que circulavam no Brasil no século XX; c) disputas ideológicas em torno do ensino de Sociologia; d) história das primeiras instituições escolares e docentes que ofertaram a disciplina no país; e) trajetória/biografia e pensamento de importantes docentes; f) as práticas e recursos de ensino em diferentes contextos históricos; g) história das mobilizações políticas em defesa da disciplina no ensino básico; h) história das reformas curriculares e o ensino de Sociologia e; i) história da reintrodução da Sociologia no ensino médio no Brasil e nos estados e metodologias de pesquisas para a pesquisa histórica do ensino das Ciências Sociais.

Coordenadores:

História do ensino de Sociologia

Antonio Alberto Brunetta (UFSC) – Licenciado, Bacharel e Doutor em Ciências Sociais (UNESP, 1998/1999/2012); Mestre em Educação (UFSCar, 2003); Professor Associado do Departamento de Metodologia de Ensino (UFSC) ministrando as disciplinas de Metodologia de Ensino e Estágio Supervisionado no Curso de Ciências Sociais e, atualmente, Diretor do Departamento de Ensino da Pró-Reitoria de Graduação (UFSC). Coorganizador do Dicionário do Ensino de Sociologia (Café com Sociologia/2020).

Cristiano das Neves Bodart (UFAL) – Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Vice-presidente da Abecs e editor do Blog Café com Sociologia.

Marcelo Pinheiro Cigales (UnB) – Doutor e pós-doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É professor do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade de Brasília, onde coordena o Laboratório de Ensino de Sociologia Lélia Gonzalez.

  • GD 2: A Ciência Política na educação básica

Os conteúdos da Ciência Política são parte fundamental da disciplina de Sociologia na Educação Básica. Nesse sentido, o tratamento disciplinar da Ciência Política na escola a coloca em livros didáticos do PNLD e com presença constante em publicações do subcampo do ensino de Sociologia/Ciências Sociais. As contribuições da Ciência Política no âmbito escolar dialogam com as finalidades da Educação Básica previstas em Lei, além de permitir aos estudantes subsídios para uma atuação cidadã consciente. Este GD procura explorar pesquisas que reflitam sobre a Ciência Política como parte do currículo de Sociologia na escola, destacando conteúdos e estratégias metodológicas para aulas de qualidade. São bem-vindas diferentes contribuições que investiguem os limites e as possibilidades da Ciência Política no currículo escolar, observando os debates atuais dos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, bem como a formação inicial e continuada de docentes.

Coordenadores(as):

A Ciência Política na educação básica

Fernanda Feijó – Doutora em Ciências Sociais pela FCLAr – UNESP. Professora Adjunta pelo CEDU na UFAL. Ex-presidente da ABECS.

Thiago Ingrassia Pereira – Doutor em Educação pela UFRGS com estágio de Pós-Doutorado pela Universidade de Lisboa. Professor da UFFS Campus Erechim (RS) e ex-presidente da Abecs.

  • GD 3: Modalidades diferenciadas de ensino das Ciências Sociais

Este grupo de discussão tem por objetivo acolher trabalhos que discutam as modalidades diferenciadas de ensino, nos termos da legislação educacional brasileira e o ensino de Ciências Sociais, no cenário de luta pela garantia de direitos dos grupos às quais se destinam as modalidades diferenciadas de ensino, a saber: Educação Especial, Educação Indígena, Educação Quilombola, Educação do Campo, Educação de Jovens e Adultos, Educação de Jovens e Adultos em situação de privação de liberdade, Educação Profissional e Tecnológica e Educação a distância e Educação escolar para populações em situação de itinerância. Esse grupo de discussão se justifica pelo fato de possibilitar uma reflexão acerca do ensino de sociologia nesses contextos, especialmente no que se refere a currículos, metodologias, formação inicial e continuada de professores e aos aspectos gerais do trabalho docente. No contexto das políticas públicas brasileiras, não só no campo da educação, mas em outras áreas, é fundamental fomentar o debate sobre a garantia e ampliação dos direitos sociais das populações sujeito das modalidades diferenciadas de ensino para que se consolide o pleno exercício da cidadania das mesmas, com reconhecimento e afirmação de suas identidades e respeito às diferenças.

Coordenadoras:

Modalidades diferenciadas de ensino das Ciências Sociais

Katiuscia C. Vargas Antunes – Doutora e mestre em Educação pela UERJ. Graduada em Ciências Sociais (Licenciatura e Bacharelado) pela UFJF. Tem experiência na área de Ensino de Sociologia e Sociologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Inclusiva, Educação Especial, diversidade, Ensino de Ciências Sociais e formação de professores.

Rogéria Martins –  Bacharela e Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestra em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Doutora em Políticas Públicas, no Centro de Ciências Sociais e Humanidades pela da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, com Pós-Doutoramento na Universidade do Porto. Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora..

  • GD 4: Formação docente em Ciências Sociais no Brasil

Com o objetivo de dar continuidade aos esforços já realizados em momentos anteriores, em apresentar e debater os aspectos relacionados à formação inicial e continuada de professores de Ciências Sociais, e tendo como base o contexto atual e todos os desafios que ora nos são apresentados – Reforma do Ensino Médio de 2017 (Lei Nº 13.415), Base Nacional Comum Curricular (BNCC), Base Nacional Comum para Professores da Educação Básica (BNC-Formação) –, o GD 4, Formação docente em Ciências Sociais no Brasil, se propõe enquanto espaço reflexivo e de acolhimento de trabalhos que tenham como foco os currículos dos cursos de formação docente em Ciências Sociais, os diferentes saberes envolvidos na formação, as práticas e o papel dos distintos programas de ensino, pesquisa e extensão voltados para a formação de professores. Além das reflexões sobre a identidade e profissionalização docentes, a articulação entre universidade, escola e movimentos sociais, como questões fundamentais para o enfretamento dos retrocessos na educação, de um modo mais abrangente, e do ensino da Sociologia, de um modo mais particular.

Coordenadores(as):

Formação docente em Ciências Sociais no Brasil

Jordânia de Araújo Souza: Professora do Centro de Educação – CEDU/UFAL. Graduada e mestre em Ciências Sociais (UFCG). Doutora em Antropologia (UFPE). Cordenou o curso de Ciências Sociais – Licenciatura, o PIBID e PRP Ciências Sociais/UFAL. Membro do XINGÓ – Núcleo de Estudos e Pesquisa em Ensino de Ciências Sociais, bem como do Grupo Interdisciplinar de Formação de Professores e Pesquisa (GIFOP).

Júlio Cezar Gaudencio: Professor do Instituto de Ciências Sociais – ICS/UFAL. Graduado em Ciências Sociais (UFCG). Doutor em Ciência Política (UFPE). Cordenou o curso de Ciências Sociais – Licenciatura. Líder do XINGÓ – Núcleo de Estudos e Pesquisa em Ensino de Ciências Sociais, membro do Grupo Interdisciplinar de Formação de Professores e Pesquisa (GIFOP) e do Laboratório de Juventudes (LabJuve). Coordenou o PIBID Ciências Sociais/UFAL.

  • GD 5: Metodologias ativas de aprendizagem e jogos didáticos no ensino de Sociologia

Esse Grupo de Discussão (GD) tem como objetivo discutir práticas e propostas inovadoras no Ensino de Sociologia na Educação Básica a partir das metodologias ativas, e dos Jogos Didáticos que têm como perspectiva desenvolver a autonomia intelectual e a corresponsabilidade do(a) estudante no processo de ensino-aprendizagem, numa concepção diferenciada do modelo tradicional de ensino. Destacam-se entre elas o uso da gameficação, a aprendizagem por elaboração de projetos, a sala de aula invertida, dentre outras. Justifica-se esse GD em vista das mudanças ocorridas nas últimas décadas na organização escolar, motivadas pela alteração no perfil do(a)s estudantes que ingressam nas instituições de ensino, hoje, mais conectados e com acesso maior às informações. Ressalta-se, ainda, a percepção de que as aulas de Ciências Humanas, notadamente as de Sociologia, com certa frequência, são identificadas pelo(a)s estudantes como maçantes em vista das aulas expositivas. Deste modo, o uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), permeando essas metodologias ativas e os jogos , tem atraído especial atenção de professores(as) e pesquisadores(as) que buscam aprimorar suas práticas em sala de aula fazendo do ensino de sociologia na educação básica um conhecimento mais dinâmico, logo, mais atrativo para o(a)s estudantes.

Coordenadoras:

Metodologias ativas de aprendizagem e jogos didáticos no ensino de Sociologia

Andréia dos Santos – Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora, mestra em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutora em Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Rafaela Reis Azevedo de Oliveira – Presidente da Abecs. Doutora em Educação (UFJF). Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

13h30-15h30 – Grupos de Discussões (Parte 2)

  • GD 6: Livro Didático e o ensino de Sociologia

O livro didático vem se tornando um objeto de estudo importante no âmbito das Ciências Humanas e Sociais, chegando mesmo a constituir em torno de si um campo de pesquisa específico, a manualistica. São diversas as abordagens sobre o livro didático. Algumas, encarando-o como peça fundamental da atividade didático-pedagógica, sinaliza que, através dele, é possível se alcançar dados substanciais para a compreensão dos objetivos de aprendizagem, do conteúdo programático, das metodologias de ensino e de avaliação de uma determinada disciplina escolar. Já outras abordagens, tomando o livro didático como artefato cultural, aponta para a possibilidade de, por meio dele, se alcançar representações e ideologias, que podem oferecer indícios dos pensamentos, sentimentos e costumes de uma determinada sociedade, em um dado momento histórico. Este grupo de discussão visa, justamente, congregar trabalhos que se debrucem sobre os livros didáticos, especificamente, aqueles mobilizados para o ensino da Sociologia, seja a partir de seus usos, seja pelo enfoque de seus conteúdos. Também está aberto a trabalhos de caráter teórico-metodológico que visam mostrar caminhos possíveis para análise dos livros didáticos.

Coordenadores:

Livro Didático e o ensino de Sociologia

Thiago de Jesus Esteves – Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEDUC) da UFRRJ. Mestre em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA-UFRRJ). Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – CEFET-RJ.

Welkson Pires – Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor do Instituto de Ciências Sociais e do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

  • GD 7: Antropologia na sala de aula da educação básica: conteúdos, metodologias e recursos didáticos

Embora tenham sido criados fóruns para discutir o papel da antropologia na educação básica, a exemplo da exitosa participação deste grupo no último Congresso da ABECS (2020) e da aprovação do primeiro Grupo de Trabalho dedicado ao tema na 33ª Reunião Brasileira de Antropologia, a ampliação e consolidação deste debate requer o constante diálogo com e entre profissionais que passaram a atuar nestes fóruns ou que se viram atraídos por este debate. Neste sentido, e com o intuito de seguir promovendo espaços de trocas e experiências, este Grupo de Discussão convida docentes e pesquisadore(a)s que adotam o métier antropológico em sua prática docente junto à educação básica a apresentarem propostas de comunicação preocupadas com a presença da antropologia na história do ensino na educação básica; no currículo e nos espaços escolares; nos livros didáticos; a Educação Técnica e Profissional; na aprendizagem por meio da etnografia; na formação de professore(a)s para a educação básica; nas práticas de pesquisa e de extensão e nos materiais, métodos e estratégias de transposição didática. Inspirados pela criação do grupo de pesquisas Antropologia na Educação Básica e pelo lançamento da obra homônima, entre outras realizações, o GD receberá trabalhos de educadore(a)s que atuam na educação básica, em institutos federais e demais escolas, públicas ou privadas, ou de ensino superior, que transitem na temática em questão e pretendam contribuir para um espaço permanente de reflexões sobre as perspectivas destes temas na educação escolar.

Coordenadores(as):

Antropologia na sala de aula da educação básica

Breno Rodrigo de Alencar – Bacharel, licenciado e mestre em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia (UFPA/2008/2011) e doutor em Sociologia e Antropologia (PPGCS-UFPA/2019). É professor do Instituto Federal do Pará (IFPA) e coordena o Núcleo de Pesquisa em Educação e Cibercultura (NUPEC).

Gekbede Dantas Targino – Graduada em Ciências Sociais (UFPB/2003), mestre em Ciências Sociais(Antropologia/UFRN/2006). Doutora em Sociologia(UFPB/2012) e Pós-doutora em Sociologia (PPGS/UFSCar/2020). Foi docente da UFPB e do IFAL, desde 2011 é professora do Instituto Federal da Paraíba, Campus João Pessoa-PB.

Marcelo Araújo – Bacharel e licenciado em Ciências Sociais (UFF/2000) e licenciado em História (UERJ/2004), mestre em Artes Visuais (UFRJ/2003) e doutor em Antropologia (UFF/2014). Foi docente de Sociologia do Colégio Pedro II e, é, atualmente, docente do Instituto Federal da Paraíba.

  • GD 8: Juventudes e Ensino de Ciências Sociais

Os estudos sobre juventude têm ressaltado a importância de reconhecer as jovens e os jovens como sujeitos de direitos e em suas pluralidades. Isso implica construir o currículo escolar, a formação docente, os livros e materiais didáticos, o trabalho docente, as práticas de ensino orientadas e elaboradas em conexão com as demandas e os desafios vivenciados pelas juventudes. Neste Grupo de Discussão (GD), serão acolhidos trabalhos resultados de projetos de ensino, extensão, pesquisa, relatos de experiências e práticas de gestão educacional que tematizem as juventudes e que estejam relacionadas ao ensino de Ciências Sociais na Educação Básica e na Educação Superior. Também serão bem vindas as comunicações que abordam os componentes curriculares de Sociologia, Projeto de Vida e eletivas no Ensino Fundamental, Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos, com enfoque nas questões relacionadas às juventudes sob as óticas da Antropologia, Ciência Política e Sociologia. São igualmente relevantes para este GD os debates sobre o ensino de Ciências Sociais e as conexões entre juventude e cultura, trabalho, cidadania, escolarização, participação, política, movimentos sociais, meio ambiente, esporte e lazer, sociabilidade, gerações, escolha profissional, mídia, arte, políticas públicas, saúde, economia, assistência social, marcadores sociais da diferença (raça, gênero, sexualidade, classe, origem territorial, pessoas com deficiência, religião), interseccionalidade etc. Além do enfoque prioritário das juventudes, o GD acolherá ainda trabalhos que reflitam sobre o ensino de Ciências Sociais e os demais ciclos da vida, a saber: infância, adolescência, adultez e velhice. Almejamos neste GD reunir estudantes de graduação e pós-graduação, docentes da Educação Básica, participantes de coletivos juvenis, envolvidos com o Programa de Iniciação à Docência (PIBID) e Programa Residência Pedagógica (PRP) e pesquisadores da Educação Superior, que tenham interesses em divulgar suas reflexões e contribuir para o avanço do Ensino de Ciências Sociais no Brasil com ênfase nas juventudes.

Coordenadores(as):

Juventudes e Ensino de Ciências Sociais

Elias Evangelista Gomes é sociólogo e professor do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), sendo doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). É professor de estágio e práticas de ensino de Ciências Sociais e é autor de livros didáticos. Possui estudos e pesquisas sobre juventude, educação política e marcadores sociais da diferença.

Geovânia da Silva Toscano, professora do Departamento de Ciências Sociais/UFPB, Doutora em Ciências Sociais/UFRN. Atua nos componentes curriculares de: Sociologia da Educação, Sociologia da Juventude, Educação e Sociedade no Brasil, Sociologia da Saúde. Realiza pesquisa e extensão sobre juventudes, educação política, cidadania, acesso e permanência no ensino superior. Atua como colaboradora do Grupo de Estudos sobre Juventudes (UNIFAL-MG) a partir de 2020 e é pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre o Ensino Superior do Centro de Educação/UFPB.

  • GD 9: Ensino de Sociologia, currículo a Reforma do Ensino Médio

Ensinar exige escuta, observação e ponderação contínuas, assim como se exige contextualização da vida cotidiana no que está explícito e implícito. A prática docente de qualquer professor precisa estar conectada com tudo que está envolto à vida cotidiana dos alunos, sujeitos dos processos e interações sociais. O currículo é também a própria vida com todos os fatos e situações reais da vida. É preciso saber aonde se deseja chegar com aquilo que se faz, ou seja, qualquer lugar não serve, é preciso saber os caminhos nos quais nossos alunos poderão trilhar para atingirem seus próprios objetivos quanto aos conhecimentos que ainda não dispõem. Isso requer de nós professores uma atenção quanto aos nossos propósitos a respeito do processo que cotidianamente realizamos na sala de aula. A proposição deste Grupo de Discussão consiste em possibilitar aos profissionais do ensino superior e ensino básico – professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação – a oportunidade de apresentarem suas reflexões e pesquisas acadêmicas acerca do Currículo e Práticas Docentes. Serão contemplados os trabalhos que abordem discussões em torno do Currículo como uma construção política do fazer docente; Currículo, escola e realidade social; reflexões a respeito da Reforma do Ensino Médio; Base Nacional Comum Curricular e o lugar do ensino das Ciências Sociais.

Coordenadores

Ensino de Sociologia, currículo a Reforma do Ensino Médio

Ana Paula Corti – Graduada e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo, mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos e doutora em Educação pela USP. Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), campus São Paulo, lecionando no Ensino Médio e no Ensino Superior, em cursos de licenciatura e pós-graduação.

José Anchieta de Souza Filho – Licenciado e Mestre em Ciências Sociais (UERN). Professor de Sociologia na Educação Básica (SEDUC/CE). Estudos sobre Ensino de Sociologia no Brasil envolvendo questões acerca do Currículo, Prática Docente, Formação de Professores nas Ciências Sociais, Reforma do Ensino Médio. Membro da Diretoria Executiva da ABECS.

  • GD 10: Ensino de Ciências Sociais e relações étnico-racial e de gênero

A incorporação da intersecionalidade como uma perspectiva teórica e prática nunca esteve tão em voga nas Ciências Sociais, especialmente no ensino de Sociologia. Os inúmeros casos de racismos e sexismos denunciados ganham destaque na impressa brasileira e repercussão nas redes sociais, ao mesmo tempo, sinalizam a necessidade de pensar os processos educativos e a sua interface como debate racial e de gênero como uma “prática de liberdade” (bell hooks, 2017). Neste sentido, o presente GD visa promover o debate sobre as relações étnico-raciais e de gênero no Ensino de Ciências Sociais. Tal debate se faz essencial na medida em que as desigualdades raciais e as relações de dominação entre gêneros se tornaram nas últimas décadas um tema relevante para as Ciências Sociais e constitui tema privilegiado do ensino, na medida em que estas desigualdades se manifestam no meio educacional e são reproduzidas socialmente. Ademais, o debate público sobre tais temas tem reproduzido pré-conceitos e distorções e tem nos desafiado a refletir sobre os modos de compartilhar saberes e conhecimentos que contribuam para o avanço em direção de uma educação antirracista, o reconhecimento do direito à igualdade e a construção de uma sociedade democrática. Para isso, o GD acolhe pesquisas, projetos de ensino, recursos didáticos e relatos de experiência, que problematizem e abordem metodologias de ensino que entrelacem a perspectiva de raça/etnia/gênero e classe.

Coordenadoras:

Ensino de Ciências Sociais e relações étnico-racial e de gênero

Josefa Alexandrina – Bacharela, licenciada, mestre em Ciências Sociais e doutora em Educação. Foi professora de Sociologia na educação básica em São Paulo e professora substituta de Práticas em Educação, Ensino de Ciências Sociais, Laboratório de Ensino e Relações Étnico-Raciais na UNIFAL-MG. Temas de pesquisa: políticas curriculares, metodologia de ensino e formação de professores. Na ABECS participa da Comissão de Pesquisa e da UR-SP.

Simone Mestre – Doutora em Sociologia (UFMG), Mestre em Antropologia (UFMG), bacharela e licenciada em Ciências Sociais (UNIR). É professora formadora do Grupo TEIA (FaE/UFMG). Atuou como professora de Sociologia no ensino médio na rede pública e privada de Minas Gerais e como professora substituta de Ciências Sociais e Relações Étnico-Raciais na UNIFAL-MG. Tem experiência com pedagogias feministas e educação antirracista.

  • GD 11: Resultados do PIBID-Sociologia, PIBIC-Sociologia, PRP-Sociologia e Estágio supervisionado em Sociologia (exclusivos para graduandos/as)

O grupo de discussão tem por objetivo discutir e refletir sobre os relatos de experiências desenvolvidos no âmbito dos programas de formação docente (PIBID-Sociologia, PIBIC-Sociologia, PRP- Sociologia, PET-Sociologia) e no Estágio Supervisionado docente em Ciências Sociais/Sociologia. Compreendemos que os estudos, relatos de experiência, análise e pesquisa sobre esses programas, encontram-se intrinsecamente relacionados a nova legislação do ensino médio, à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a Resolução 02/2019 (BNC-Formação) e as políticas de contingenciamento à educação, às restrições e ameaças a autonomia docente, dentre outras questões que impactam a formação dos futuros docentes da educação básica. Esperamos receber dos/as graduandos/as propostas de relatos relacionados a participação e experiência nos programas de formação docente e em Estágio Supervisionado, bem como reflexões e análise desses espaços formativos. Os três melhores trabalhos do GD 11 receberão premiações (uma placa de honra ao mérito, certificado e dois livros da Editora Café com Sociologia).

Coordenadores

Resultados do PIBID-Sociologia, PIBIC-Sociologia, PRP-Sociologia e Estágio supervisionado em Sociologia

Fernanda Feijó – Doutora em Ciências Sociais pela FCLAr – UNESP. Professora Adjunta pelo CEDU na UFAL. Ex-presidente da ABECS.

Maria Amélia de Lemos Florêncio – Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais (UFAL). Mestre em Sociologia (UFAL). Professora do Componente Curricular de Sociologia na Secretaria de Estado da Educação em Alagoas (SEDUC/AL). Professora Preceptora no Programa Residência Pedagógica (2018-2020) e (2020-2022).

Rafaela Reis Azevedo de Oliveira – Presidente da Abecs. Doutora em Educação (UFJF). Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

16h0-17h00 – Atividades culturais / Lançamento de livros

17h00 – 18h30 – Mesa: Um balanço do subcampo de pesquisa sobre o ensino de Sociologia na graduação e na pós-graduação

Pesquisa sobre o ensino de Sociologia

  • Marcelo Pinheiro Cigales (UnB)
  • Amurabi Oliveira (UFSC)
  • Cristiano das Neves Bodart (Abecs/UFAL/PPGS)

19h00 – 20h30 – Mesa: Os novos livros didáticos do PNLD e seus impactos sobre o ensino de Sociologia

Livros didáticos de Sociologia

  • Thiago de Jesus Esteves (Abecs e autor de livro didático de Sociologia e de CHSA)
  • Nelson Tomazi (Professor aposentado da UEL. Autor de livro didático de Sociologia)
  • Jordânia de Araújo Souza – mediadora (CEDU-UFAL)

SÁBADO, 26 DE NOVEMBRO DE 2022

9h00 – 11h30 – Oficinas e Minicursos

13h30-14h30 – Atividades culturais / Lançamento de livros / Coffee break

14h30-15h30 – Conferência de encerramento: A conjuntura atual e a formação docente

Reforma do ensino médio

Conferencista: Daniel Tojeira Cara – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP)

 Welkson Pires (PPGS/UFAL) – Mediador

15h30 –16h00 – Homenagens e Divulgação da premiação dos trabalhos do GD 11

          • Coordenação das homenagens: Welkson Pires e Geovânia Toscano

16h00 – 17h00 – Assembleia Geral da Abecs

          • Coordenação: Rafaela Reis Azevedo de Oliveira (Presidenta da Abecs)

 


CHAMADAS no site oficial do evento AQUI

 

 



COMISSÃO ORGANIZADORA

          • Caio dos Santos Tavares (ICS-UFAL)
          • Cristiano das Neves Bodart (Abecs/PPGS-UFAL)
          • Fabio Monteiro (PPGS-UFAL)
          • Fernanda Feijó (CEDU-UFAL)
          • Jordânia de Araújo Souza (CEDU-UFAL)
          • Júlio Cezar Gaudêncio da Silva (ICS-UFAL)
          • Kássia Sybelli de Oliveira Gomes Barros (PPGS-UFAL)
          • Welkson Pires (ICS-UFAL)

 

Financiamento: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas

Leave a response comment1 Response
  1. Alcenir João Ribas Garlet
    agosto 02, 12:16 Alcenir João Ribas Garlet

    Linha temática de minha pesquisa

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: